Feiras Novas uma festa com “identidade e forte tradição” 

onte de Lima, uma vila de tradições e encantos, realizou as Feiras Novas, de 06 a 11 de setembro, tendo atraído milhares de pessoas de todo o País para participarem numa das “romarias mais participadas de Portugal”.

Organizada pela Associação Concelhia das Feiras Novas e pela Câmara Municipal de Ponte de Lima, a romaria, para além da vida ativa do comércio local, tem atrações para todas as pessoas e gostos, particularmente a animação, onde convergem as concertinas, os bombos e as rusgas, a par dos cortejos e da música. 

Uma festa que superou as expectativas, com uma afluência record. Gonçalo Rodrigues, presidente da Associação Concelhia das Feiras Novas, refere que “o balanço, tendo em conta o que senti, e tive o feedback de todos os que participaram nas nossas atividades, é relevantemente positivo. Penso que Ponte de Lima está de parabéns e agradeço a todos os que colaboraram ativamente para que as festas fossem realizadas com esta qualidade e em especial a todos os limianos que contribuíram, mais uma vez, com o seu bem receber”. Acrescentou, ainda, que o sentimento final é de alívio e dever cumprido por organizar uma romaria com tanta responsabilidade. Representamos o esforço de muita gente que durante um ano prepara tudo ao pormenor para que nada falhe, porque é isso que as festas e as pessoas merecem. Contudo, numa festa tão grandiosa como esta, há sempre alguns contratempos. Queremos evoluir e dar às pessoas as melhores condições, mantendo sempre os aspetos mais tradicionais e mais identitários da festa, mas há sempre uma evolução dos tempos, que nos trazem novos desafios, e esses são relacionados com a forte afluência de pessoas que se juntam ao limianos para fazer a festa. Gonçalo Rodrigues, não consegue apontar um número exato, mas “damos sempre o número de 600 mil pessoas. Porém a nossa noção é que este ano tenha sido mais. Mas a ordem de gradeza é difícil de identificar”. 

Uma romaria que demostra o amor às tradições, diz-nos Vasco Ferraz, presidente da Câmara de Ponte de Lima, que destaca a “genuinidade das festas. “Temos aqui uma das mais participadas romarias no panorama Português, onde praticamente toda a população participa. Ora isso faz com que o apego seja maior, que a festa seja feita de uma forma mais sentida, mais do coração, manifestando simpatia e bem receber da parte dos limianos, levando a que os de fora igualmente participem. Uma festa do povo, uma festa sentida pelo povo, que se faz com alma e coração. Uma festa com identidade e forte tradição”. 

Este ano Ponte de Lima recebeu a visita da ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, que assistiu ao cortejo etnográfico e ainda chegou a dançar ao som das músicas populares. “ As Feiras Novas revelam a identidade do território, que vai desde a gastronomia, acompanhada sempre pelos bons vinhos verdes, pelos lenços, pelos brincos e pela joalheria que usamos. Tudo isto é muito importante para manter este espírito unido em torno de um Minho que é único”, afirma a ministra da Agricultura. 

Uma romaria que terminou com a novidade de que a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) abriu o processo de inscrição das Feiras Novas, uma proposta do município iniciada em 2017, para consulta pública por 30 dias, para a romaria ganhar o estatuto de Património Cultural Imaterial.  

Item adicionado ao carrinho.
0 itens - 0.00

Ainda não é assinante?

Ao tornar-se assinante está a fortalecer a imprensa regional, garantindo a sua
independência.