As surpresas da cerimónia dos óscares de Hollywood

Alcino Pereira
Alcino Pereira

Comecei a acompanhar as incidências dos óscares de Hollywood, talvez na extremidade dos anos 80, ou no início dos anos 90, principalmente no que concerne à estatueta atribuída ao melhor filme, unanimemente considerado, o momento alto desse evento anual. 

No entanto, em conformidade com o título desta crónica, prefiro realçar aqueles filmes que, de forma fantástica, triunfaram sobre os enredos favoritos, arrebatando a almejada estatueta, se calhar por detalhes incisivos, na qual o júri entendeu valorizar, por vezes de modo assertivo, e noutros nem por isso.    

A primeira surpresa que pude constatar foi precisamente em 2012, quando “o Artista”, um filme mudo de origem francesa alcançou, contra todos os vaticínios, esse desiderato. Contudo, ao ver o filme, comparando com as outras produções de 2011, designadamente as obras biográficas “Dama de Ferro” e “J.Edgar”,  a aventura épica “Cavalo de Guerra”, de Steven Spielberg e uma história de racismo na América dos anos 60, intitulada “As Serviçais”, convenci-me, afinal, que o “Artista” venceu com todo o mérito. Com categoria, e de modo espantoso, porque o argumento, regressando a 1920, foca-se sobre a transição drástica do cinema mudo para o sonoro, na qual a vedeta dos filmes mudos, George Valentin, é apanhado nesse turbilhão decadente, enquanto observa a ascensão meteórica duma atriz que ele lançou para a ribalta.   

Rebobinando para trás, até ao ano 1995, o prémio entregue a “Forrest Gump”, também gerou estupefação, pois “Pulp Fiction “e “Condenados de Shawshank” perfilhavam-se como candidatos naturais. Não obstante o sucesso de bilheteira que obteve, além da excelente prestação do ator Tom Hanks, na minha opinião, “Forrest Gump” não passa de um embuste, porque a narrativa, num ápice e sem nexo, transformou uma personagem acéfala num herói americano. 

Indo mais para trás, saltando até 1977, faço menção ao prestigiado filme “Rocky”, que entrava assim para a lista dos filmes galardoados, destronando o rotulado “Homens do Presidente”, que na altura se alcandorava em direção ao pódio, brotando uma narrativa baseada em factos verídicos, debruçando-se sobre o escândalo Watergate. Neste caso, concordando com a decisão do Júri, confirmado por uma história cativante, acerca dum jovem boxista, chamado Rocky Balboa, que ao evidenciar uma personalidade simples e afável, encara com humildade e espírito de sacrifício a possibilidade de defrontar um grande nome do boxe americano.         

Outra consagração inesperada, que se concretizou em 2017, refere-se explicitamente ao dramático “Moonlight”, por sinal um ótimo filme. Este enredo, assente na vida difícil da tímida criança, chamada Black, demonstra uma cadência desditosa, desde a infância até à adolescência. Porém, este, ao chegar á maioridade, torna-se irremediavelmente num traficante de droga. Todavia, se nessa cerimónia tivessem optado por duas alternativas dramáticas de enorme qualidade, “Manchester By the Sea” e “Vedações”, penso que seria igualmente justo, em vez de laurear o putativo musical “La La Land” que, no meu ponto de vista, se traduziu num autêntico fracasso.   

Por fim, uma conquista inédita e sui generis, surgiu em 2020, distinguindo-se um filme sul-coreano, denominado “Parasitas”, de género comédia mordaz, abordando a forma como uma família extremamente pobre consegue, com destreza, vigariza

Outras Opiniões

Os leitores são a força e a vida do nosso jornal Assine A Aurora do Lima

O contributo da A Aurora do Lima para a vida democrática e cívica da região reside na força da relação com os seus leitores.

Item adicionado ao carrinho.
0 itens - 0.00

Ainda não é assinante?

Ao tornar-se assinante está a fortalecer a imprensa regional, garantindo a sua
independência.