Mais de 30 mil à espera do Ministro!

Defensor Moura
Defensor Moura

Há um mês e meio que entreguei ao Ministro da Saúde a exposição reivindicativa da criação do Serviço de Radioterapia em Viana do Castelo, para assegurar o tratamento dos 400 novos doentes com Cancro, que surgem anualmente no distrito.

Entretanto, o abaixo assinado lançado pela Assembleia Geral da Liga dos Amigos do Hospital de Viana do Castelo já foi subscrito por mais de 30 mil cidadãos dos dez concelhos do Alto Minho, que esperam ansiosamente pela resposta do Ministro da Saúde à reivindicação dos Amigos do Hospital solidários com os doentes cancerosos que têm de fazer em média 25 tormentosas viagens de ida e volta ao Porto ou a Braga para as sessões de Radioterapia.

As queixas mudas dos doentes sofredores, são assim gritadas por mais de trinta mil vozes da sociedade civil, num clamor já ouvido pelo Presidente da Câmara de Viana do Castelo que chamou os dirigentes da Liga à autarquia para conhecer melhor as causas do descontentamento e ampliar o eco da justificada reivindicação que também já tinha subscrito pessoalmente.

Com a Presidente da direção Ana Margarida Silva e outras dirigentes da Liga, expus detalhadamente, ao Presidente Luís Nobre e ao Vereador da Saúde Ricardo Rego, o autêntico calvário a que são obrigados os doentes com Cancro residentes em Viana do Castelo e em todo o distrito para acederem às sessões de Radioterapia, só disponíveis em Braga ou no Porto para onde são encaminhados. Deprimidos pela própria doença maligna e muitas vezes fisicamente depauperados, os doentes com Cancro residentes no Alto Minho têm de fazer em média 25 tratamentos, o que representa um total de 10 mil tormentosas viagens por ano que, quando são transportados em viaturas coletivas com doentes de várias freguesias, representam muitas vezes seis a oito horas de percursos e esperas para realizar um tratamento que não ultrapassa os cinco minutos! 

Quando houver o Serviço de Radioterapia em Viana do Castelo, serão menos 1 milhão e 400 mil quilómetros de sacrifícios nas estradas para os doentes com Cancro e preocupações quotidianas para os seus familiares e, além do que o próprio Serviço Nacional de Saúde poupará nos encargos assumidos com as viagens, também as congestionadas estradas e o meio ambiente ficarão a ganhar com a satisfação desta reivindicação coletiva, interpretada pela Liga dos Amigos do Hospital.

Os dirigentes da Liga fizeram-se acompanhar da ex-doente Céu Rosário, que narrou longamente o que ela própria passou quando teve de fazer 32 dessas viagens e as dramáticas histórias que ouviu e observou nos inúmeros doentes com quem foi contactando durante esse longo calvário que, com bem piores condições de transporte e ainda maior distância do local de tratamento, são quotidianamente sacrificados em busca do tratamento de que necessitam para se salvar.

Perante a inação das entidades responsáveis (o Conselho de Administração da ULSAM disse mesmo à comunicação social que as queixas dos doentes não eram audíveis no piso 8 do Hospital de Santa Luzia!) a Assembleia Geral da Liga dos Amigos do Hospital aprovou a minha proposta de lançar o abaixo assinado que, sem recorrermos a qualquer intermediação institucional, em cerca de um mês e meio já foi subscrito por mais de 30 mil cidadãos dos dez concelhos do Alto Minho.

E arrancando exclusivamente como uma iniciativa da sociedade civil, o clamor destas trinta mil vozes foi finalmente ouvido pelas instâncias políticas que quiseram ouvir, nas palavras dos dirigentes dos Amigos do Hospital, as razões que originaram este expressivo e pouco habitual movimento cívico da comunidade alto minhota.

Até à data, além do Presidente da Câmara de Viana do Castelo, Luís Nobre, que quis ouvir em reunião na autarquia os dirigentes da Liga dos Amigos do Hospital, também o Deputado eleito por Viana do Castelo, Tiago Brandão Rodrigues, fez questão de contactar a direção da Liga para conhecer os fundamentos de tão amplo movimento cívico e assumir junto do Governo a justa reivindicação dos doentes, dos familiares e da população do Alto Minho.

Cientes de que se trata de um objetivo que não pode ser solucionado de um dia para o outro e tem significativos custos, os Amigos do Hospital reivindicam do Ministro da Saúde a decisão de desencadear o projeto de construção do edifício indispensável para instalar o novo Serviço de Radioterapia (que pode inclusive ser integrado na cada vez mais urgente ampliação do estrangulado Hospital de Santa Luzia) e cativar atempadamente os meios financeiros necessários para o empreendimento. 

O movimento cívico reivindicativo da Liga dos Amigos do Hospital e dos trinta mil residentes no Alto Minho está agora alargado às instâncias políticas e começa a encurtar o tempo para o Ministro da Saúde responder à exposição sobre o assunto que lhe apresentei há mês e meio.

E se o investimento for incompatível com o sempre acanhado orçamento do Serviço Nacional de Saúde (que a Liga dos Amigos defende e considera preferível), não pode deixar de ser considerada a possibilidade de recorrer à iniciativa privada para instalar e gerir o Serviço de Radioterapia em Viana do Castelo, como aliás já acontece nas unidades de Braga e do Porto para onde são enviados os doentes da Unidade Local de Saúde do Alto Minho.

Afinal os custos para o Serviço Nacional de Saúde já existem e apenas se reivindica que a despesa seja realizada em Viana do Castelo, com significativa poupança nos transportes dos doentes para Braga ou para o Porto e, principalmente, com enorme redução dos sacrifícios a que são obrigados os doentes com Cancro, residentes nos dez concelhos do Alto Minho.

Porque a prioridade é o bem-estar dos Doentes!!!

Outras Opiniões

Os leitores são a força e a vida do nosso jornal Assine A Aurora do Lima

O contributo da A Aurora do Lima para a vida democrática e cívica da região reside na força da relação com os seus leitores.

Item adicionado ao carrinho.
0 itens - 0.00

Ainda não é assinante?

Ao tornar-se assinante está a fortalecer a imprensa regional, garantindo a sua
independência.