Sacrilégio abominável

Humberto Pinho da Silva
Humberto Pinho da Silva

Neste tresloucado mundo, surgem, de longe a longe, nos mass media, noticias que nos deixam banzados, a nós, que julgamos ter visto tudo.

Acabo de conhecer que Salwan Monika, de 37 anos, queimou, profanou, pisou e rasgou – diante da mesquita de Estocolmo – o Corão, Livro Sagrado dos muçulmanos, que, como se sabe, tem afinidades com a nossa Bíblia.

Em protesto ao abominável sacrilégio, o ativista muçulmano, Almad Alush, quase de mesma idade do que profanou o Corão, resolveu pedir licença para queimar a Bíblia e o Torá, em público. Incrivelmente, foi autorizado, em nome da liberdade de expressão!…

Não se realizou o ultraje, porque Alamad declarou que não era sua intenção fazê-lo, mas apenas alertar para a profanação que fizeram ao Livro Sagrado dos Ismaelitas.

No parecer da polícia de Estocolmo, não se pode nem se deve cercear a liberdade; mas, penso eu, as atitudes insólitas não devem estar incluídas no tão desejado, e tantas vezes negado, direito de expressão.

Sempre condenei a censura, defendi e defendo, a liberdade de criticar, sem ofensa, seja quem for ou o que for, mas a liberdade de queimar Livros Sagrados, quando não há bom senso, deve ser negada.

O lamentável caso vem relatado no “Diário de S. Paulo”, de 21/07/2023, pág 8, pela pena de Agenor Duque.

Esclareço que, para clarificar o caso, na Suécia, foram chamados os embaixadores na Suécia do Iraque, Emirados Árabes Unidos e Marrocos.  O Presidente e o primeiro-ministro de Israel condenaram asperamente a profanidade. Pergunto, agora: Quantos Chefes de Estado, de países cristãos, fariam igual protesto se a Bíblia fosse queimada?

Outras Opiniões

Os leitores são a força e a vida do nosso jornal Assine A Aurora do Lima

O contributo da A Aurora do Lima para a vida democrática e cívica da região reside na força da relação com os seus leitores.

Item adicionado ao carrinho.
0 itens - 0.00

Ainda não é assinante?

Ao tornar-se assinante está a fortalecer a imprensa regional, garantindo a sua
independência.